domingo, 1 de agosto de 2010

Férias forçadas.


Oi people, depois de um longo e tenebroso inverno, eis que retorno ao meu cantinho, tirar as teias de aranha é sempre bom, não?

Bom, esse post tem mais a função de informar do que de entreter ou debater. No curso desse um ano de bloguinho eu vim aqui diversas vezes compartilhar o que eu estava sentindo ou os rumos que minha vida (parada) estava tomando, e dessa vez não será diferente.

Durante os próximos dias, no mínimo 30, euzinha estarei ausente do mundo virtual para cuidar da minha saúde.

Dia 2 de agosto de 2010, as 07:00 eu passarei por uma cirurgia, inicialmente de pequeno porte, para retirada (pela 3ª vez) de um cisto no final da coluna, no cóccix.

Calma! Calma! Antes de voces surtarem, me deixem explicar.

Algum de voces, alguma vez, ouviu falar em cisto sacro ou cisto pilonidal? Pois bem, é isso que eu tenho. Desde os 13 anos desenvolvi essa belezura que, gostou tanto de mim, que insiste em me visitar vez ou outra, o problema é que eu não gosto dessa visita e ela sempre acaba me levando pra alguma sala de cirurgia em algum hospital da cidade de São Paulo.

Pra quem não sabe o que é, em termos leigos e de forma bem simplista, cisto sacr/cisto pilonidal é um pelo que nasce na região do cóccix, mas, ao invés de nascer pra fora, nasce pra dentro, inflamando. Até ai normal, certo? Nada que já não tenha acontecido com 99% das pessoas, todo mundo já teve um "pelo encravado" vez ou outra.

Entretanto, esse bonito não é tão simples assim, uma vez dentro da pele, ele cresce, se ramifica e inflama de um jeito que eu prefiro não explicar, não quero ninguém passando mal sobre o teclado; além de formar tuneis por onde ele vai se esparramar. Mal comparando, é como uma minhoquinha que vai abrindo caminho pra outras minhoquinhas que vão passando e deixando um rastro.

A primeira vez que esse cisto veio me ver eu tinha, como já disse, 13 anos, eu nunca tinha visto e nem ouvido falar nisso, então foi um susto, eu era praticamente uma criança e o mais perto que tinha passado de um hospital havia sido a maternidade, mas tudo bem, orientada pelo meu médico, Dr. Marcos Cirilo Lourenço, fui encarar a cirurgia, que era, de longe, muito mais fácil que todo o sofrimento que eu já havia experimentado antes (em suma, eu tive duas inflamações grandes que me forçaram a ter de passar por duas punções a sangue frio, não se assustem, a região inflamada não aceita anestesia, eis o motivo).

Já naquela época o médico havia me alertado que esse é um tipo de cisto que PODE voltar, mas não é uma regra. Se tudo tivesse saido 100% bem na cirurgia eu nunca mais receberia a visita desse meu "amigo". E eu acreditei nisso até os 24 anos...

11 anos depois da 1ª cirurgia, eis que tive todos os sintomas novamente, passei por mais uma punção e tive de voltar ao hospital, para mais uma cirurgia, dessa vez com o Dr. Marcos Curti Testa. Muito maior que a primeira, me recuperei entre as aulas do último semestre da faculdade e o estágio. E, como é de se imaginar, esperei não ter de passar por isso nunca mais, novamente, ou, pelo menos, não tão breve. Não tive sorte.

No começo do mês de junho, mais uma vez, meu amigo cisto veio me ver. Dessa vez "sem inflamação" ou punção, mas não sem cirurgia, e então, lá vamos nós novamente, para a 3ª cirurgia pra ver se ele encontra o caminho dele de vez, e de preferência, na lata do lixo do centro cirúrgico.

Por ser uma cirurgia que não leva ponto, os cuidados pós operatórios são maiores, com curativos internos frequentes e constantes, e eu, por motivos óbvios, devo ficar quietinha na minha caminha quentinha, decorando todos os capítulos de Sinhá Moça e dos filmes fails da sessão da tarde.

Se vocês vão me perguntar se eu estou com medo, eu vou dizer que não. Não estou mais enfrentando o desconhecido. Se vocês me perguntarem se eu estou chateada, frustrada, eu vou responder que sim, justamente por saber tudo que terei pela frente, por já saber como é, eu fico chateada de ter de passar por tudo de novo, mas sei, também, que Deus não nos dá uma cruz maior do que a que podemos carregar, e que, enquanto eu fico aqui chorando as minhas pitangas, existem outras tantas pessoas por ai com problemas bem maiores e mais sérios que os meus, então, bola pra frente ;-)

Nossa, pra variar, o post ficou grande. Como diria meu amigo Falcão, eu não tenho poder de síntese.

Em resumo, people, vou ficar offline. Cuidem-se, não aprontem muito na minha ausência e, se aprontarem, anotem tudo pra me contar depois, eu volto logo.

Se vocês quiserem saber mais sobre o meu "amiguinho", podem visitar esse site do Dr. Fernando Valério

3 comentários:

Patrícia disse...

Oi Danny!!
Li tudo e fiquei boba, que coisinha chatinha heim. Mas em breve vc estará de volta, pq senti falta dos seus recadinhos no twitter.
Melhoras e um grande beijo.
Patty

Adriana Carter disse...

Oii Danny, nossa não sabia q vc tinha feito a cirurgia.. melhoras!!!
menina..to boba, eu tbem tenho cisto no cóccix ..é terrível qdo nasce, conmeçou qdo tinha 14 anos, fui no médico e ele falou q tinha q fazer uma cirurgia pequena, mas não quis.. mto medo LOL
mas de vez em qdo aparece pelo meu corpo..essa porcaria anda ..aff mas tomo anti inflamatório para sumir, só não posso abusar dos chocolates e carne de porco q inflama!!

melhoras xuuuu!!

Traquinas disse...

Olá
Espero que já esteja completamente restabelecida. Hoje minha filha com 15 anos também foi presenteada com o diagnóstico de possivel problema igual ao seu. Fiquei apavorada e aí meti-me nas pesquisas na net encontrando o seu blog. Depois de ler o seu post parece quase uma brincadeira, desculpe o termo mas a maneira como o escreveu está o máximo. Acho que estou mais tranquila, obrigada por ter partilhado.
Espero que nunca mais tenha esse problema e muitas felicidades na sua vida.
Beijo